Ninguém tem que nada

Ninguém tem que nada

E aí tudo bem?

Quero que pare 10 segundos e pense: quantas vezes disse a você mesmo “eu tenho que…”

Eu tenho que fazer aquele trabalho pro meu chefe, eu tenho que enviar aquele e-mail, eu tenho que marcar aquela reunião, eu tenho que dormir mais cedo, eu tenho que me alimentar melhor, eu tenho que me estressar menos, eu tenho que ficar mais tempo com meus filhos.

De acordo com a teoria da auto-determinação desenvolvida recentemente por Deci e Ryan (2008), existem 2 tipos de motivação:

  • Intrínseca: de dentro para fora
  • Extrínseca: de fora para dentro

Esta última ainda se subdivide em 4 outros níveis: regulação externa, regulação introjetada, regulação identificada e regulação integrada.

A motivação mais forte é a intrínseca. Ela vem de dentro para fora. Sabe aquelas coisas que você ama, que pagaria para fazer, que ficaria horas fazendo e perderia a noção do tempo? A frase típica das coisas que te motiva assim é: Eu amo…

A motivação mais fraca é a extrínseca de regulação externa. Ela vem de fora pra dentro e sua motivação básica é evitar uma punição ou em alguns casos ganhar algum prêmio que não tem relação direta com a atividade. Alguns exemplos:

  • Se você não comer tudo não vai poder jogar vídeo game;
  • Se não se dormir cedo vai ficar de castigo;
  • Se bater a meta ganha um bônus;
  • Se não cumprir os procedimentos vai levar advertência;
  • Se ultrapassar a velocidade vai pagar multa;
  • Se for mal na avaliação de desempenho vai ser demitido;

A frase que reflete este nível de motivação… adivinha? Eu tenho que.

E o que fazer para não sofrer com o que tenho que? Ressignifique. Busque outro entendimento sobre a mesma tarefa. Algo que te motive mais.

Por exemplo: No caso da criança que não quer dormir cedo. Você pode comentar que o papai e mamãe trabalham muito e precisam descansar (faz a criança pensar no outro). Ou ainda, que se ela dormir mais cedo vai ter mais energia para brincar na escola com os amigos, ou melhor, ainda quando a criança experimenta este novo hábito e realmente enxerga os benefícios.

Como neste exemplo, você pode pensar em cada tenho que… da sua vida e formas de dar um significado que faça com que realizar aquela atividade seja mais prazerosa.
Resultado: uma vida mais prazerosa e menos sofrimento

Não subestime este ensinamento, ele é capaz de transformar sua vida de uma maneira surpreendente. De agora em diante, quando você ouvir tenho que de você ou de alguém, pense: todo mundo pode escolher, ninguém tem que nada.

Um grande abraço e até já já…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *