Faça acontecer

Faça acontecer

Não é raro que algumas pessoas me procuram nos processos de Coaching para se queixar de diversos aspectos em suas carreiras. As reclamações mais comuns são excesso de trabalho, relacionamento conflituoso com a equipe ou com o chefe, atividades desmotivantes, falta de reconhecimento, de previsibilidade e perspectiva de carreira.

E você, também sofre com alguns desses pontos?

O que vou relatar pode lhe ajudar a abrir novos horizontes e, quem sabe, diminuir um pouco o seu sofrimento.

A cada ano, os negócios estão cada vez mais dinâmicos, complexos, multifacetados, interconectados e competindo em mercados cada vez mais globais. O que isso significa? O ambiente interno das empresas possui cada vez mais horizontes pouco previsíveis, organizações cada vez mais enxutas e eficientes para competir num mercado global que exige cada vez mais de seus funcionários. Em outras palavras, ao passar dos anos fica mais evidente que se você não tiver um bom nível de satisfação com o seu trabalho, com sua empresa, dificilmente irá suportar as exigências cada vez maiores do mundo corporativo.

Antes de jogar tudo pra cima quero lhe convidar a fazer alguns exercícios que podem ajudar a aliviar ou até resolver alguns dos outros pontos de sofrimento mencionados acima:

  1. Excesso de trabalho: Você realmente está usando seu tempo da maneira mais produtiva? Seja você líder ou membro de uma equipe, você sabe quais são as coisas que faz e que mais agregam valor a sua empresa? Você está usando o melhor do seu potencial para realizar o seu trabalho?
    Se respondeu não para alguma dessas perguntas cabe aqui uma oportunidade. Agora, você poderá me dizer que já fez de tudo mas que está de mãos atadas por conta do seu chefe, do seu cliente ou da política da empresa que trabalha. Neste caso, farei outra pergunta: Você já disse não alguma vez para seu chefe? Já procurou ao menos renegociar alguns limites, alternativas? Se não definiu seus próprios limites, não será seu chefe ou sua empresa que fará isso. Em resumo, avaliar alternativas de autogestão de prioridades e negociar limites são alguns exemplos mais eficientes para combater o excesso de trabalho.
  2. Relacionamento conflituoso: Existem duas causas mais comuns de relacionamento conflituoso: comunicação ineficiente e conflito de crenças e valores. Para o primeiro cabe uma pergunta: Você já parou para imaginar que as pessoas com quem se relaciona também podem ter tantos problemas, desafios e desmotivações quanto você? Talvez se der um primeiro passo para tentar entender os principais problemas das pessoas com quem se relaciona, aquelas mais importantes, e ao menos pensar juntos em possíveis soluções, quem sabe não é um início de um novo relacionamento construtivo. Quem sabe isso não gere uma abertura para em um segundo momento compartilhar dos seus problemas e desafios?
    Não posso garantir que todas as pessoas vão te ajudar, ou vão melhorar o relacionamento contigo, mas posso lhe dizer que as chances são muito maiores. Se mesmo assim isso não se resolver, pode ser o caso de entender os valores dessa pessoa, o que importa para vida dela, no que ela acredita e quais as “verdades dela”. Aqui é um terreno onde é mais difícil de mudar, mas o que pode ser feito é viver mais os valores e crenças comuns entre você e essa pessoa e respeitar as diferenças. Isso pode tornar os conflitos muito mais leves.
  3. Atividades desmotivantes: Você não gosta do que faz, mas tem ideia do que gostaria de fazer? O que se sentiria bem fazendo? Agora vamos usar a criatividade! O que gostaria de fazer que pudesse, efetivamente, agregar valor ao seu trabalho, a sua equipe ou ao seu chefe?
    Como poderia fazer para ajustar sua rotina de tarefas de uma forma que maximizasse as coisas que gosta de realizar, minimizasse as que não gosta e que agregasse mais valor a sua empresa? Se conseguiu responder com sucesso essas perguntas, principalmente a última, você pode estar muito próximo de melhorar o nível de satisfação com seu trabalho. Mas cabe aqui mais uma questão: Qual a melhor maneira de comunicar, de vender isso ao seu chefe? Coloque-se no lugar dele (lembre-se das dicas do item 2). Se você elaborar uma boa venda interna poderá surpreender com os resultados que terá chances de alcançar neste “novo trabalho” que criou para você mesmo.

Se percorrer esses três exercícios poderá ter uma melhor qualidade de vida no trabalho, relacionamentos profissionais mais saudáveis e tarefas motivantes. Com isso também poderá se realizar profissionalmente sem ter de mudar de função ou de empresa. Se não fizer esta lição de casa bem feita, você poderá mudar de função, mudar de empresa e continuará sofrendo das mesmas coisas.

Faça primeiro em você a mudança que gostaria que acontecesse no seu ambiente. O que Mahatma Gandhi disse, há algum tempo, também tem sua utilidade no nosso trabalho.

Um grande abraço e até já, já…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *