Além do certo e do errado

Além do certo e do errado

Certa vez, durante curso que participei, ouvi uma frase atribuída a um Sufi chamado Rumi que dizia: “Além do certo e do errado existe um campo, a gente se encontra lá”. Confesso que o que ele disse calou fundo em mim. No mesmo mês vi esta frase em um livro, nas redes sociais e em outro artigo que li. Entendi que não era uma coincidência e depois de algumas reflexões resolvi compartilhar algumas delas neste artigo.

Quando falamos em certo ou errado isso pressupõe uma regra que foi criada por alguém que possui um conjunto de valores e crenças e que, se são similares as suas, você se une a quem criou e reforça aquela regra, se não, você reforça a regra oposta. Ou seja, em última instância, o certo e errado é relativo a cada pessoa ou grupo de pessoas similares.

E onde esse tipo de pensamento leva? À formação de clãs e tribos que lutam para defender suas verdades. Vemos isso todos os dias na TV, nas redes sociais e nos mais diversos ambientes em que vivemos. Enquanto estamos na nossa tribo está tudo ótimo, tudo bem, confortável. Mas será que o mundo é do tamanho da nossa tribo? Será que não existe algo mais abrangente do que a nossa verdade? Será que não existe um campo além desse? Pois é, foram justamente esses questionamentos que comecei a refletir quando ouvi a frase do Rumi.

Confesso que não é fácil ouvir coisas que vão contra nossas verdades, mas também deixar nossas verdades descansando um pouquinho para simplesmente ouvir sem julgamento outro ser humano e procurar se conectar com ele tem me proporcionado experiências muito enriquecedoras. Além de “aumentar a minha verdade” experimentei também sensações interessantes como diminuir a raiva, aumentar a compreensão, ter mais tranquilidade e leveza.

Existe outro aspecto do certo e errado que gostaria de compartilhar também – o nosso próprio autojulgamento. Sem dúvida os juízes mais rigorosos moram dentro da nossa cabeça. Por essa razão, muitas vezes evitamos a todo custo qualquer tipo de erro que possa despertar a ira deste nosso crítico interno. Muitas vezes esse nosso crítico interno se veste do papel de chefes, de pais, de mestres, ou de pessoas que de alguma maneira respeitamos muito e não gostaríamos de desapontar. Em muitos momentos nos esquecemos de que o erro além de relativo é natural, previsível e pode alavancar aprendizados que podem ser essenciais para saltos de conhecimento e evolução.

Para citar um exemplo, quero lhe fazer um desafio. Pense em um empresário de sucesso. Aposto com você que na trajetória de vida dele houve um grande erro, um grande aprendizado e muito provavelmente este aprendizado o alavancou rumo ao sucesso. Arrisco dizer que a grande maioria das pessoas de sucesso, seja quem for, teve um erro ou um fracasso importante na vida que o alavancou. Então, mais uma vez, o que é o erro? O que é certo e o que é errado?

Não estou dizendo que você não deva cultivar a prudência, o planejamento, a reflexão. O que quero dizer é que podemos ter um olhar sobre os erros como resultados de processos, como etapas que podem tornar a vida mais leve e gerar aprendizados para se fazer evoluir.

Não poderia terminar sem dizer que tudo o que eu acabei de escrever não está certo, nem errado. É só mais um ponto de vista que pode te levar a enxergar algo além do que você enxerga hoje, assim como aconteceu comigo. Bora se encontrar no campo além do certo e do errado?

Um grande abraço e até já, já…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *